Artigo: Game Design Document: Realizando a documentação do seu projeto de Jogo Digital

Game Design DocumentNo artigo que escrevi sobre Game Design, dei uma noção geral sobre essa etapa tão importante no desenvolvimento de um jogo digital. Agora, chega o momento de saber como documentar um projeto de game.

Você entenderá a importância de realizar tal ato, o que deve ser considerado na documentação e algumas estruturas de diversos autores.

Era uma demanda de alguns leitores do blog. Então espero que ajude vocês a começarem os registros do seu game design.

Por que documentar o seu jogo digital?

Game Design Document - CapaExistem diversos motivos para realizar uma documentação de um jogo digital. O primeiro é pensar mais nessa etapa conceitual para evitar retrabalhos e erros no desenvolvimento ou fases de qualidade. Afinal, problemas quando o jogo já se encontra nessas fases custa muito mais caro que nas etapas de projeto.

Outro motivo é para ter um ponto de convergência da ideia do game para toda a equipe. Senão gera inconsistência nas informações sobre ele, gerando confusão entre os desenvolvedores.

Também porque em geral as publishers (distribuidoras de games) pedem esse documento como requisito. Já vi em algumas iniciativas de crowdfunding (investimento coletivo como Kickstarter) apresentarem apenas o game design para receber investimento de outros. Outro motivo para realizá-lo.

Ao documentar o projeto, você pode realizar pequenos protótipos para testar a ideia e modificar ainda nessa fase. Ajuda para o desenvolvimento depois já ter um projeto bem avaliado, pensado e diminuir retrabalho.

Existem mais motivos, mas esses são suficientes para justificar a documentação.

 

O Game Concept – Definindo a Ideia Inicial

Planejamento do Game Design Document

O primeiro passo é definir o conceito do jogo. Com ele aprovado, você irá partir para o Game Design Document. Um bom roteiro é o do Paul Schuytema. Ele propõe a seguinte estrutura:

  • Nome do Jogo;
  • Plataforma: onde irá roda?
  • Jogadores: quantidade;
  • Gênero: tipo do jogo;
  • High Concept: conceito geral do jogo, aquele que divulgará o jogo aos jogadores. Conte um pouco da história, missão do jogador, ações que podem ser feitas;
  • Objetivo: qual o objetivo para vencer no game?
  • Recursos: Detalhe tudo que o jogador pode fazer, recursos disponíveis, missões, dinâmica do jogo. É um aprofundamento das fases de High Concept e Objetivo.

Outros recursos podem ser adicionados como requisitos para rodar o game, conteúdo que trata o jogo (em se tratado de advergames ou jogos educativos), público-alvo, estudos de mercado etc. Isso vai depender de quem será o alvo do seu documento de conceito de jogo.

 

Qual a estrutura de um Game Design Document?

Antes de apresentar estruturas, deve-se lembra que esse documento deve se apresentar de forma objetiva, se possível de forma descontraída – para atrair os leitores ao documento – e com clareza. Pense que toda a equipe, com os mais diversos perfis profissionais, irão ler a documentação. Logo, cuide com jargões técnicos. Use-os de acordo com o perfil deles.

Vou trazer aqui a estrutura de Paul, além de algumas sugestões minhas para adaptar de acordo com a sua necessidade.

  1. Controles Básicos - Game Design Document
Visão Geral essencial
  1. Resumo
  2. Aspectos Fundamentais
  3. Golden nuggets, ou seja, o que é o grande diferencial desse projeto, os principais aspectos;
  • Contexto do game
    1. História do Game
    2. Eventos anteriores: a história do game pode já ter um passado.
    3. Principais jogadores
    4. Personagens
    5. Armas
    6. Estruturas: fases, cenários etc.
    7. Objetos
  • Objetos Essenciais do game
  • Conflitos e soluções: o que o herói enfrenta? Quais desafios, inimigos etc?
  • Inteligência artificial: onde será aplicada? Como ela agirá em determinada situação, inimigos como se movimentação etc.
  • Fluxo do game: Qual o fluxo das fases, menus?
  • Controles: quais os comandos permitidos, o que fazem?
  • Variações do jogo: Missões especiais, versões do jogo e pacotes, easter eggs, diferentes finais se tiver etc;
  • Definições: palavras utilizadas defini-las;
  • Referências: de jogos, livros, filmes, qualquer referência importante que foi utilizada para criar o game.

Vale lembrar que o game design é um documento vivo, ou seja, ele muda e deve ser atualizado conforme ocorrem as mudanças. Para isso, é importante realizar versionamento e controle de rastreabilidade dessas correções realizadas. Uma alternativa muito boa é utilizar documentos Wiki. A maior parte dos sistemas já tem isso pronto e realizar correções é muito mais fácil.

Outro fator é que, dependendo do jogo esse formato pode variar. Ele fala mais em linhas gerais, mas, com a experiência, o game designer percebe quais detalhamentos deve fazer a mais no projeto. Essa variação pode ocorrer devido ao gênero do jogo e plataforma, por exemplo.

 

A documentação do Game Design é uma etapa fundamental, mas se deve escolher as ferramentas adequadas ao seu registro, envolver a equipe para contribuir, sempre estar atualizado e avaliado suas ideias por prototipagem ou outro método. Gasta-se mais tempo no projeto para evitar dores de cabeça no desenvolvimento.

 

Referências

Schuytema, Paul. Design de Games: uma abordagem conceitual. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

Fabiano Naspolini de Oliveira

Fabiano Naspolini de Oliveira (Editor-Chefe) – Formado em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Pós-Graduado em Docência para Educação Profissional, MBA em Game Design e Mestrado em Tecnologias da Informação e Comunicação. Foi redator do portal Nintendo Blast, professor de cursos técnicos e Game Designer/Sócio-Fundador do estúdio Céu Games por 6 anos. Atualmente, é professor de jogos digitais e escritor.