Entrevistas: Fernando (Pokémon Ultimate Battle)

Sempre buscando profissionais diversos da área de jogos digitais, hoje entrevistamos o Fernando, responsável pelo game analógico Pokémon Ultimate Battle.

É um jogo de tabuleiro não oficial do Pokémon, com uma dinâmica bem legal e bom material gráfico. Todo fã de Pokémon torce para uma empresa apostar no projeto para torná-lo oficial.

Conversamos sobre esse projeto e mais recomendações para quem deseja atuar no desenvolvimento de jogos.

Confira aqui conosco.

Quem entrevistamos?

foto minhaFernando Cruz Botelho de Souza: Formado em Design de Mídias Digitais pela Faculdade Impacta de Tecnologia. Já foi designer gráfico da Revista Alvo Leste e conta com um portfólio que você pode conferir em dois acessos:

Contatos do Entrevistado:

Vídeo de Pokémon Ultimate Battle

Entrevista

1) Como se inicia a sua trajetória no desenvolvimento de jogos digitais?

LOGOMeu projeto inicial é um jogo chamado Pokémon Ultimate Battle. Trata-se de um jogo de tabuleiro não oficial. Estou fazendo uma mobilização dos fãs para conseguir apoio para licenciá-lo e lançá-lo no mercado. Ele conta com um vídeo promocional e uma página no Facebook. Ele vem fazendo muito sucesso na internet, ele já virou matéria de vários sites e canais do Youtube, além de ter recebido diversos comentários e e-mails dos fãs de Pokémons que expressam seu apoio ao jogo e o desejo de comprá-lo. Também fazemos eventos para o pessoal ter uma chance de conhecer e jogar  Pokémon Ultimate Battle, já que o jogo não pode ser comercializado.

 

2) Quais competências você entende necessárias para atuar na produção de jogos digitais?

Existem diversas competências que podem ser necessárias para produzir um jogo, mas as competências diferenciais para mim são a capacidade criativa e a paixão pelo projeto. Um jogo tem como principal função divertir seu usuário, então faça coisas únicas, use a imaginação para fazer trabalhos que passem a sua identidade, tenha muita força de vontade para aprender as competências das quais não conhece,  use a criatividade para chegar na sua proposta, independente dos recursos que você tenha, e lembre-se sempre que sua mente é a única ferramenta insubstituível.

 

3) Conte-nos um pouco sobre a experiência de desenvolver Pokémon Ultimate Battle, jogo de seu portfólio: origem da ideia, desafios e acertos durante a produção, o lançamento para o mercado e outros detalhes que achar pertinente.

pokemon_ultimate_battleDesenvolvê-lo foi uma experiência única. Todo momento de ócio as ideias surgiam e, conforme apareciam, eu anotava e via o projeto se consolidar. Depois reunindo todas as ideias, consegui criar uma proposta e fiz o manual.

Então veio um grande desafio do meu lado profissional do design e diagramação que era transformar a proposta do jogo no material físico. Isso era algo extremamente trabalhoso e eu sempre queria o melhor em cada detalhe, pois tinha uma paixão muito grande pelo projeto.

Quando o jogo ficou pronto, imprimi em uma versão barata e fui testar com os amigos. Foi muito divertido mesmo com as peças em sulfite preto e branco. Houve muitos e muitos testes e modificações para aperfeiçoar o jogo.

mesa 01Adequar meu jogo em uma impressão por encomenda de pequena quantidades foi o desafio seguinte. Deu muito trabalho e gasto até chegar em um ponto ideal, mas, quando consegui chegar, eu vi um trabalho do qual senti muito orgulho.

Agora estou na fase de divulgação e está sendo uma etapa muito interessante e nova para mim. Meu amigo criou um vídeo promocional e eu criei uma paginá do jogo e nós estávamos divulgando em grupos e páginas famosas. Até que começaram a surgir sites e canais do youtube querendo fazer matérias do jogo. As matérias renderam muitas visualizações e curtidas porque sites famosos queriam algo exclusivo e interessante para postar, depois compartilhar na página e o jogo se mostrou muito eficiente nisso.

Fazemos também eventos de teste do Pokémon Ultimate Battle para o pessoal poder jogar e avaliar. Todos foram um sucesso até agora, pois o público se divertiu bastante e as avaliações em sua grande maioria foram bem positivas.

 

4) Como funcionará a comercialização do Pokémon Ultimate Battle? E quanto aos direitos autorais que envolvem os personagens e a marca Pokémon, como você está tratando essa situação?

evolução_gyaradosTrata-se de um jogo de tabuleiro não oficial e por esse motivo não fazemos nenhum tipo de venda nem arrecadação. Fazemos apenas eventos de divulgação para que o pessoal conheça e se divirta com o jogo sem absolutamente nenhum custo. Nosso único objetivo com nossa divulgação é vender o jogo para uma empresa que compre a licença. Então não existe nada a perder para a Pokemon Company. Ao contrario: apenas uma opção de aceitar ou não um produto muito promissor, tanto no Brasil quanto no exterior.

 

5) Qual sua percepção do mercado de jogos analógicos no Brasil em termos de oportunidades, público, formas de venda e produção?

Apesar de ainda estar muito atrás de outros países, o mercado de jogos analógicos como board games e card games está em ascensão e vem crescendo cada vez mais. Acredito que o fato que alavancou esse mercado foi a chegada de jogos mais modernos e variados no mercado, pois antes haviam poucas opção além de jogos básicos.

pokemons_dragonair

6) Em um futuro, existem planos de o jogo ser portado a uma plataforma digital?

Sim, o jogo tem total capacidade de ser transportado para uma plataforma digital. A proposta dele se encaixa tão bem quanto os jogos de card game. Muito provavelmente ele será portado, depois da venda do jogo analógico.

insignias

Este é um espaço livre para deixar uma mensagem aos leitores do Fábrica de Jogos que pretendem atuar com desenvolvimento de jogos:

Queria aconselhar a todos que gostam da área de jogos a criarem coisas novas e autênticas. Existem muitos tentando fazer coisas que o mercado já esta saturado, sem nenhuma novidade e o resultado disso são jogos ruins. Quando for criar algo, crie com a sua identidade, inspire-se em bom jogos e até use personagens já existentes, mas não crie nada que não tenha um diferencial.

 

Muito obrigado pela participação em nossa coluna! Sucesso com o jogo analógico e não vemos a hora dele à venda. 😀

Fabiano Naspolini de Oliveira

Fabiano Naspolini de Oliveira

Fabiano Naspolini de Oliveira (Editor-Chefe) – Formado em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Pós-Graduado em Docência para Educação Profissional, MBA em Game Design e Mestrado em Tecnologias da Informação e Comunicação. Foi redator do portal Nintendo Blast, professor de cursos técnicos e Game Designer/Sócio-Fundador do estúdio Céu Games por 6 anos. Atualmente, é professor de jogos digitais e escritor.

Send this to a friend