Fanfic Fábrica – Gamers – Prólogo

A narrativa do Fábrica de Jogos se caracteriza com um Fanfic, ou seja, histórias não oficiais criadas por fãs dos personagens ou de um jogo etc.

Gamers conta a história de cinco crianças que foram incumbidas de salvar a Galáxia Gamer, ameaçada por um vilão denominado V.B. Seu objetivo ainda é incerto, mas é fato que já conquistou os planetas Reino de Mushroom, Hyrule e Dream Land. Os perigos só aumentam a cada planeta visitado, além dos poderes das crianças se desenvolvendo ao longo da história.

A trama é propositalmente cheia de clichês dos games, além de vários jogos que você vai lembrar ou conhecer. É uma história mais juvenil, mas considero para todas as idades. Sim, ela também acaba tendo como protagonistas elementos da Nintendo, porém achei mais cabível devido ao ar mais infantil e carismático desses personagens.

Vamos ler o prólogo e saber mais?

Prólogo

Preparar uma grande festa ao Reino de Mushroom era o tipo de atividade que Princesa Peach adorava fazer ao seu povo. Conhecida por sua generosidade, esses eventos enchiam o seu coração de alegria por aquele belo e peculiar planeta.

Após o seu pronunciamento a todos os Toads na capital de mesmo nome, ofereceu-lhes fatias de bolo deliciosas e bebidas geladas as quais desapareciam como Boos das mesas, pratos e copos.

Sentia-se satisfeita, muito feliz e em boa companhia, afinal Mario e Luigi eram sempre bem vindos em seu reino. Ela era muito grata a eles, pois já a salvaram diversas vezes de Bowser, o temível vilão que se esconde em seu castelo nas regiões mais sombrias desse reino.

Tudo feliz, leitor. Nada poderia estragar esse momento?

Uma súbita nuvem escura começa a cobrir os céus do Reino de Mushroom. Raios começam a cair sobre o reino apavorando a todos.

Assustada e mediante o caos que se tornou sua festa e reino, ela observa o céu e sente um tremor no seu coração. Tenta pedir calma a todos, mas era impossível. Já foram muito aterrorizados em diversos episódios por Bowser. Esse não seria diferente.

Mario pede a atenção da princesa e aponta para o lado de fora da janela do castelo. O olhar dela enche-se de pânico. A mesma sensação do passado retornava. Era o barco voador de Bowser cuja embarcação arremessava raios e soltava fumaça negra pelo céu.

Toadsworth e Toad organizam a população para seguirem as medidas de emergência. Recebiam treinamento para essas situações e sabiam aonde se encaminhar: a passagem secreta do castelo.

Os irmãos encanadores pedem para a princesa seguir com seu povo, visto que sabiam o alvo direto do inimigo. Ela se afasta, dirigindo-se ao destino pedido pelos heróis, mas não quer abandoná-los e fica observando-os ao longe.

Eles estavam na entrada do castelo e esperavam o inimigo. Luigi ofereceu ao seu irmão uma flor de poder. Ambos se equiparam com ela, ganhando trajes com macacões brancos e podiam soltar bolas flamejantes.

Bowser se aproxima do castelo e desce do alto. Os irmãos Mario puderam sentir um tremor na terra com o impacto do inimigo ao descer ao chão.

Luigi fitou o inimigo e percebeu que seus olhos estavam vermelhos. Mario achou estranho também quando ele falou com uma voz robótica:

– Acham que eu quero raptar a princesa? – tira um controle de videogame de dentro do casco.

Com uma sequência de apertos nos direcionais e botões que segurava, Bowser provocou um raio que atingiu Luigi em cheio. O encanador verde virou uma sequência de “0s e 1s” que vagavam em direção ao artefato. Aos poucos foi sugado pelo controle de videogame como um aspirador de pó faz com a sujeira.

O encanador de roupas vermelhas ficou pasmo com o que via. Não conseguia ter reação nenhuma até se encher de raiva pelo irmão o suficiente, atirando uma série de bolas de fogo contra o inimigo, todas ricocheteadas sem esforço por Bowser.

Suas mãos revidaram como estivesse abanando-se de calor. A seguir, o vilão fez mais uma sequência de comandos no joystick.

Um raio vem em direção ao encanador bigodudo. Ele lança bolas de fogo contra ele, porém sem sucesso. Elas haviam sido digitalizadas e não paravam a força do ataque do inimigo. Tanto que nessas circunstâncias, Mario agora fazia companhia ao seu irmão.

Peach estava perplexa com o que via. Seus melhores amigos e heróis foram reduzidos à poeira digital. Ela também viu uma marca no casco dele: V.B. O que é isso? Todavia, existiam preocupações maiores.

– A… pro…fecia! – disse baixinho e olhando fixo o artefato incomum que o vilão segurava.

Bowser percebeu que ela observava a cena e urrou para ela, começando a persegui-la.

Para não colocar em perigo o seu povo, ela foi em direção à outra passagem secreta do castelo, cuja entrada ficava em seu quarto.

“Eu preciso chegar lá” era a frase que martelava a sua mente a cada passo dado na escada enquanto corria do monstro de casco cheio de espinhos. Ele caminhava confiante porque sabia que ela seria uma presa fácil sem seus amigos.

No seu quarto, a princesa trancou a porta e empurrou a prateleira de livros contra a entrada. Nessa ação, também conseguiu revelar uma porta antiga. Isso era percebido pela madeira gasta e a quantidade de teias que ali havia.

Ela começou a falar alguns dizeres baixinho e a porta começou a se iluminar e abriu.

Um estrondo de Bowser forçando à porta do quarto para arrombá-la assustou Peach.

– Preciso ser rápida! – disse entrando no recinto com um altar, onde a grande estrela amarela, linda e brilhante se encontrava.

Mais batidas na porta do quarto e começam a aparecer fissuras nas laterais dela.

– Estrela… chegou o dia! – acariciava-a, sorrindo para ela, pois dormia um sono de muitos anos. – Leve os colares com os brasões dos heróis gamers aos escolhidos. O Reino de Mushroom e os outros mundos da… – outro solavanco na porta e mais desespero. – Galáxia Gamer precisam da ajuda deles. Nossos heróis já começaram a ser raptados e inimigos vão se aliar ou serão fantoches dessa desgraça – a porta foi digitalizada pelo joystick e a prateleira que a trancava. – VÁ!

A estrela cintila pela sala escura e navega voando por ela com elegância e leveza. Carregava consigo os colares solicitados pela princesa. Consegue se desviar da investida de Bowser e sai pela janela do quarto de Peach.

Bowser fica bravo devido ao fracasso na captura da estrela e foca no seu alvo primário: Peach. Observa que está indefesa, sozinha e caída ao chão com seus olhos cheios de medo e se protegendo com os braços.

O vilão chega bem próximo dela e percebe que sua presença a aterroriza. Sente prazer com o medo que provocava. O poder enchia o seu ego e alimentava a sua sede de maldade.

– Não era o nosso alvo, mas… – olhou para a janela rapidamente, lembrando-se da fuga da estrela – pelo visto sua intromissão vai causar problemas aos nossos planos.

Bastaram alguns movimentos e Peach agora faz companhia aos encanadores.

Continua…

Próximo Capítulo: Uma visita especial – O Chamado à Galáxia Gamer

Fabiano Naspolini de Oliveira

Fabiano Naspolini de Oliveira

Fabiano Naspolini de Oliveira (Editor-Chefe) – Formado em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Pós-Graduado em Docência para Educação Profissional, MBA em Game Design e Mestrado em Tecnologias da Informação e Comunicação. Foi redator do portal Nintendo Blast, professor de cursos técnicos e Game Designer/Sócio-Fundador do estúdio Céu Games por 6 anos. Atualmente, é professor de jogos digitais e escritor.

Send this to a friend