Gamers: Capítulo 40: Power Suit e os Poderes de Tamires – Batalha de Cérebros em Tourian

Após vencer Kraid e Ridley, Tamires e George conseguem os últimos pedaços da armadura Power Suit para obter os poderes plenos da escolhida de Samus.

Além disso, isto habilita a passagem para Tourian para o último desafio dos escolhidos na Federação Galática – Zebes: Mother Brain.

 

Capítulo 40: Power Suit e os Poderes de Tamires – Batalha de Cérebros em Tourian

O reencontro de todos os escolhidos aconteceu próximo aos arredores da entrada de Tourian.

Ao verem George e Tamires retornando, abraçaram-se e comemoraram por terem conseguido a armadura Power Suit completa.

            – Vamos montá-la – Tamires fala ansiosa.

As peças restantes são adicionadas a armadura. Ela se forma e reluz fortemente. O colar de Tamires, cujo acessório ganhou da estrelinha na Terra, também brilha intensamente, como todos os escolhidos em suas transformações de poderes plenos.

A armadura se transforma em luz e adentra o colar, depois estourando e envolvendo o corpo de Tamires.

Ela sente o poder fluindo pelo seu corpo e entende que agora conseguiria as armas e armaduras necessárias de Samus.

            – Posso sentir meu poder pleno – diz Tamires, feliz. – Agora não precisarei gastar tanto meu ki para as transformações.

            – Isso é ótimo – fala Mario.

            – Não vejo a hora dos meus – diz George. – Mas estamos quase em Kongo Jungle.

            – Logo nós esmagaremos mais inimigos, George, para pegar os seus poderes. Fique tranquilo – consola Sandro.

            – Pessoal… Mas ainda temos um monstro feio para enfrentar – lembra Roberta.

Mother Brain, o grande articulador de Zebes e estrategista de V.B. Derrotá-lo significa vencer mais uma vez o grande vilão, mas também libertar a Federação Galática do domínio da Elite Real.

            – Meus poderes são os responsáveis por abrir esta passagem – Tamires procura tocando com as mãos a parede.

É dessa forma que ela observa um buraco em formato de mão e resolve colocar a sua ali mesmo.

Ao realizar o ato, pela porta começa a correr uma luz, vinda da armadura, que toma a passagem por completo, a seguir abrindo-a para os domínios de Tourian.

            – Sinto um ki maligno forte nessas regiões, mas não está tão perto. Vamos verificar – convida Tamires indo à frente e já entrando no ambiente.

Quando os outros escolhidos iriam entrar no recinto, a porta fecha-se bruscamente, deixando-os do lado de fora.

            – Tamires – Mario batia na parede da porta desesperado. – Tamires!

            – Você está bem? – pergunta George.

            – Estou bem, pessoal. A porta se fechou sozinha – desconfia já tirando conclusões a escolhida de Samus. – Isso é obra de Mother Brain. Mas tudo bem… todos tiveram em seus mundos a chance de lutarem sozinhos com seus adversários maiores. Agora… chegou a minha vez.

            – Tome cuidado, Tamires – fala, preocupada, Roberta.

            – Ah… e eu vou ficar aqui fora esperando sem dar porrada – diz, chateado, Sandro.

Tamires segue pelos arredores de Tourian, sendo guiada pelo ki maligno de Mother Brain que sentia de longe. Sabia também que ali era o centro de controle desse planeta e, uma vez destruído, todos estariam livres.

Tourian era a sede principal dos Piratas Espaciais. O ambiente era todo metálico e você andava por caminhos tubulares para chegar a outros recintos. Alguns lugares tinham lavas e também vários seres que defendiam Mother Brain, principalmente os metroids.

            – Ataque de metroids! – diz Tamires já atirando contra eles.

Era uma enxurrada deles e, caso a atingissem, sugariam a energia vital dela até à morte. A escolhida sentiu que seus poderes estavam melhores, exigiam menos esforço de ki e estavam mais rápidos também.

            – Nossa… – pensa – Meus poderes estão muito fortes. Estou alvejando inimigos como nunca. Haha.

A escolhida avança contra os inimigos e vai adentrando mais em Tourian buscando seu real adversário.

 

 

Mother Brain observa de longe, no seu painel, os passos de Tamires. Vê também que os outros escolhidos estavam do lado de fora a esperando. Comemora o fato:

            – Os meus planos estão caminhando bem. Caíram na minha armadilha. Com a escolhida de Samus separada dos outros, vou poder vencê-la com mais facilidade. Desgraçados irão pagar por tudo que fizeram e ainda vou poder reestabelecer a ordem da Federação Galática sob o meu comando.

O adversário de Tamires desprendeu-se do cubículo que seu cérebro estava e montou-se em cima de um corpo. Agora, sua voz não era mais transmitida por maquinários, mas pela própria boca do monstro que estava acoplado. Também podia se locomover e atacar quem quisesse.

Dessa forma, encaminhou-se para ir ao encontro de Tamires para sua luta.

            – Vamos ver, verme inútil escolhida, do que você é capaz!

 

 

A escolhida consegue sair dos perigos maiores e sente a presença do ki de Mother Brain se aproximando dela.

            – Ele está se locomovendo… Será que ele assumiu sua forma ambulante?

Quando olhou para cima, sua pergunta foi respondida. Mother Brain entra pelo ambiente berrando muito bravo e, vamos dizer assim, leitor, rosnando para ela:

            – Garotinha insolente. Você não é Samus, mas dessa vez vou derrotar você!

Tamires se joga para o lado para desviar-se de tiros em formato de círculo lançados pelo adversário. Eles causaram arranhões bem significativos no chão metálico que ela estava.

            – Samus… Power Suit! – chama Tamires, armando-se com a proteção da personagem que é escolhida.

A armadura se materializa e blinda o seu corpo. Além disso, sua arma já começa a ser carregada para desferir um tiro contra ele.

            – Samus… Hyper Beam! – atira bem no cérebro acoplado aquele corpo gigante.

O tiro acerta em cheio, porém nem faz cócegas em Mother Brain. 

            – Idiota. Acha mesmo que isso vai me vencer?

Mother Brain atira contra Samus um raio intenso de multicores e a deixa paralisada.

            – Não… consigo… me… mexer… – dizia, Tamires, ajoelhada e com dificuldade.

O poder do inimigo era muito intenso e a escolhida nunca imaginou estar paralisada assim.

            – Tola… agora se ajoelhe diante de mim e ao domínio dos Piratas espaciais perante a Federação Galática!

            – Nunca… – diz, Tamires, sentindo muita dor, mas pensando “Eu preciso pensar em algo. Como Samus o venceu?”.

Foi com essa pergunta que se lembrou do laço de Samus com um metroid bebê e…

            – É isso! – disse já carregando seu ki e seus novos poderes.

A armadura Power Suit começou a brilhar muito forte e a luz de Mother Brain começou a ser vencida em um embate de forças dessa luz contra o raio multicores do cérebro ambulante.

            – Você não me vencerá! – grita, com raiva, Mother Brain.

A luz atinge o inimigo e faz com que ele se afaste de Tamires por um tempo.

A escolhida estava restaurada e gritou:

            – Samus… Metroid DNA! – sua armadura brilhou mais intensamente ainda.

Tamires posicionou sua arma e atirou nele com todas as forças, mas Mother Brain também revidou com outros tiros e bombas jogando pelo ambiente.

A escolhida se transformou no modo Morph Ball, rolando como uma bola pelo cenário e desviando-se dos tiros dele. Também aproveitou para avançar para perto dele e lançou bombas perto do adversário. As bombas explodiram, tirando um pouco da atenção do inimigo.

Ela aproveitou a brecha para pular bem de frente para Mother Brain, saindo da Morph Ball, e atirou:

            – Samus… Metroid– – levou uma patada do inimigo, atirando-a longe.

            – Acha mesmo que pode me deter assim, inseto? – pergunta já atirando novamente aquele raio.

Tamires revida com o seu tiro mais poderoso: tinha junto o DNA do Metroid. Novamente havia uma disputa de forças sobre qual raio venceria e atingiria o seu alvo.

O tiro de Tamires ganha bastante poder, pois, além da força, conseguia absover a energia vinda do raio, característica dos metroids.

Mother Brain via que estava perdendo o combate e se desesperava. Ficou ainda mais nesse estado quando olhou para Tamires. Ele a via determinada a derrotá-lo como Samus no passado.

            – Não pode ser! De novo não! – o raio toma conta do corpo de Mother Brain, atingindo-o principalmente no cérebro.

Uma vez levando todo o dano do ataque, o monstro cai e o cérebro se solta do corpo que estava preso. Ele manda um último comando.

            – Posso ter perdido, mas vocês vão vir comigo. Acionamento de código 5235 de emergência – ao terminar de mandar telepaticamente essa mensagem aos seus maquinários, suspira e morre.

Os alarmes de Taurian atingem todo o ambiente e uma bomba relógio é acionada.

            – Precisamos fugir – diz, Tamires, já se guiando para encontrar os escolhidos.

Uma voz fala pelo ambiente “10 minutos para a detonação final de Zebes”.

A escolhida encontra os seus amigos e diz “Vamos deixar as comemorações de lado. Vamos… sei de um atalho que podemos tomar”.

Ela lidera todos para a fuga e, enquanto caminhavam pelos corredores de Zebes, o tempo estava passando “5 minutos para a detonação final de Zebes”.

            – Pelo visto venceu Mother Brain – comenta, Sandro, correndo.

            – Claro. E ele jogou a bomba em nós – diz George.

            – Já estamos em Crateria – comenta Tamires. – Agora só irmos até nossa nave.

            – Vamos para onde? – pergunta Roberta.

            – Para a sede da Federação Galática – diz Tamires.

Os escolhidos conseguem chegar a nave, adentram, configuram as coordenadas rapidamente e partem. Quando estavam a 10 metros de Zebes, o planeta começa a explodir a partir do seu centro: Tourian.

            – Propulsores de velocidade da luz – aciona Tamires.

Ao acioná-los, o fogo quase ia se aproximar da nave F-Zero, mas com a velocidade ativada, eles, num piscar de olhos, sumiram para longe da explosão de Zebes.

 

 

Após a explosão e a festa da Federação Galática, os escolhidos deixaram de lado as honrarias extensas e preferiram partir logo. Afinal, faltava apenas um planeta e a missão deles estava chegando ao grande passo contra V.B.

            – Vamos logo então liberar os poderes do George – diz Mario.

            – Sim, a missão aqui foi curta, mas foi gratificante – diz Tamires. – Tenho meus poderes. Mas é fato que precisamos agilizar nossa operação.

            – Concordo – diz Roberta. – Eu já estou com saudades de casa.

            – Todos estamos, Roberta – diz George.

            – Eu até estou com saudade, mas antes quero quebrar a cara dessa Elite Real – desabafa Sandro.

            – Mudando de assunto, recebeu as coordenadas do próximo planeta, Tamires? – pergunta Mario.

            – Sim. A Federação Galática me deixou com as coordenadas do local, mas não temos nenhuma informação clara de Kongo Jungle. Só a teremos ao conversar com um senhor chamado Cranky Kong em sua cabana. Ele é nosso contato nesse planeta.

            – O antigo Donkey Kong – comenta George. – Legal, apesar de ele ser meio rabugento. Pelo menos nos jogos era.

Deixaram os comentários de lado, – e quantos comentários, leitor. Olhe a quantidade de falas sem as minhas – ligaram os propulsores e partiram em direção ao planeta Kongo Jungle. O que lhes esperam?

 

Continua…

Próximo Capítulo: A volta do General DS – A missão do braço direito de V.B.

Fabiano Naspolini de Oliveira

Fabiano Naspolini de Oliveira

Fabiano Naspolini de Oliveira (Editor-Chefe) – Formado em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Pós-Graduado em Docência para Educação Profissional, MBA em Game Design e Mestrado em Tecnologias da Informação e Comunicação. Foi redator do portal Nintendo Blast, professor de cursos técnicos e Game Designer/Sócio-Fundador do estúdio Céu Games por 6 anos. Atualmente, é professor de jogos digitais e escritor.

Send this to a friend