Gamers: Capítulo 56: O caminho pelo Corredor da Morte – Os braços de confiança dos generais de V.B.

Os seis escolhidos finalmente chegaram em Game Over. Disfarçados, acompanharam o dia a dia dos plebeus resignados por V.B. e sentiram o sofrimento que todos passavam naquela região.

Diógenes articulou um discurso para gerar caos e tomar a liderança dos plebeus em prol da liberdade, conduzindo-os para enfrentar V.B.

Enquanto isso, os outros escolhidos seguiram em direção aos aposentos do grande vilão, mas antes precisavam salvar as pessoas presas nos Limbos da Exclusão.

Só que V.B. não estava parado e também fez os seus primeiros movimentos.

Saga de Game Over

Gamers: Capítulo 56: O caminho pelo Corredor da Morte – Os braços de confiança dos generais de V.B.

GAMEOVER_Gamers_P1No Castelo de V.B., os generais reuniram os seus braços de confiança para passar a missão deles. DS fez as ordens de comando, reunindo os 4 subordinados especiais diretos deles:

– Reunimos vocês para passar uma nova missão. Os escolhidos já se encontram em Game Over. Coordenem os esforços de nossos exércitos para que avancem para a região dos Plebeus Resignados. Alguns outros também ficarão protegendo nossos fortes e castelo. Algum questionamento?

Nenhum dos quatro falaram, mas assentiram com a cabeça conforme DS falava.

– Após realizarem esses procedimentos, temos outra missão. RP e GL vão guardar o Limbo da Exclusão 1; XE e PG cuidarão do Limbo da Exclusão 2. Enquanto isso, vamos acionar a segurança das chaves do castelo do mestre, além de pegar os heróis raptados dos limbos. Entendido?

– Sim, mestre – responde RP, o braço de confiança de DS. – Vejo que teremos a companhia dos escolhidos para estarmos de guarda lá. Vou causar tremor e desespero neles – sorri maldosamente.

RP tinha em suas mãos e pés uma espécie de luva e botas bem grossas, responsáveis por causar tremores e terremotos bem intensos. A concentração do ki dele praticamente era nessas regiões. O restante do corpo era bem magro, com uma roupa mais colante. Usava também um capacete bem redondo, com um visor tapando apenas os olhos. A boca tinha liberdade sem nenhuma vedação. Curtia a luta e era bem petulante. Gostava de provocar o caos na arena de batalha.

– Provavelmente eles tentarão invadir para libertar os heróis e os rebeldes – conclui GL. – Nada que meus tentáculos não consigam acabar com eles.

GL era corpulento. Isso significava uma altura considerável (2 metros), além de um corpo bem gordo. Engatados ao seu corpo, possuía cabos que funcionavam como tentáculos. Em cada ponta deles, havia um buraco que tinha o comportamento de um aspirador de pó potente. Isso o permitia absorver qualquer coisa, mesmo maior que o buraco do tubo, e transferir para onde ele quisesse que fosse. Esse era um de seus trunfos, pois era bem preguiçoso para golpes mais corporais.

– Oras… Por isso o grande mestre pediu para nossos superiores pegarem os heróis dos planetas – afirma PG.

PG tinha um corpo musculoso e definitivamente estava longe do estereótipo feminino de fragilidade e delicadeza. Seu forte estava nos punhos com luvas que se energizavam de ki fora do normal. Na mão direita, ela ficava intensamente vermelha e cuspia fogo ao atingir o seu alvo. Já na esquerda, ela tinha um painel de comando que criava uma redoma na arena. Tudo que estivesse dentro desse ambiente criado, ela podia manipular ao seu bel prazer, inclusive os inimigos. Ela era rude e não tinha muita paciência.

– Sem papos. Vamos começar a trabalhar logo – diz XE, já revisando suas duas armas e braço mecânico. – Minhas meninas querem cuspir bala nesses heroizinhos – lustrou-as mais um pouco.

XE possuía duas pistolas e um visual meio steampunk. Além de roupas e uma cartola cheia de estilo nessa moda, tinha um braço mecânico com diversas armas acopladas, mas não largava de suas duas pistolas de prata prediletas. Havia muito apreço dele às pequenas coisas e o cuidado com seus artefatos era quase uma obsessão. Quem as tocasse ou causasse dano, ele teria um surto de raiva. Era cego de um dos olhos e, com o outro que enxergava, tinha uma lente que o ajudava a ver em longo alcance.

Ao ouvirem os comandos do general DS, partiram para coordenar os subordinados. Depois, já se dirigiam para os domínios de cada um dos limbos. Realmente não será uma missão fácil, leitor.

 

 

fox_lutandoDiógenes lutava e coordenava com grande esforço aqueles que foram explorados por V.B. na região dos Plebeus Resignados.

Alguns seres que se rebelaram, conseguiram enfrentá-los avançando, mas havia outros que eram muito fracos e precisavam de apoio do adolescente. Também nessa guerra seria inevitável que alguns falhariam, pois a demanda era grande.

O escolhido de Fox pensou nisso, mas observava que uma grande força já se formava. Ele também ajudava no agrupamento e auxílio contra os soldados de V.B.

– Ainda bem que estamos conseguindo nos reunir em direção ao Corredor da Morte logo – pensava. – Obrigado V.B. por não me trazer a essa região. Se eu tivesse minha imagem apresentada aqui como seu braço direito, nunca conquistaria a legião que estou formando agora.

Ele sorri ao ver seu plano dando certo, mas também se preocupa com Mario e os outros que avançam pelo Corredor da Morte sozinhos.

– Logo estarei aí para ajudá-los. Aguentem firme e sei que aguentarão. Só não quero mais me ausentar da minha função de escolhido. Quero estar ao lado de vocês sempre.

 

 

O Corredor da Morte não tinha esse nome, muito menos a aparência atual. Ele sofreu transformações com a presença de V.B. naquela região. A ponte até era larga, mas balançava e causava medo, fora os espinhos que circundavam pelos corrimões da ponte. Sua extensão era grande e interligava a região dos Plebeus Resignados com os fortes de V.B. e o grande castelo dele.

Ao chegar ao castelo, a passagem tinha duas vias: uma direto para a entrada do castelo; outra subterrânea embaixo da água, levando aos fortes dos generais 16 e 64B.

Por citar água, ela era o motivo de existência da ponte e fazia a composição final do terror dela. Afinal, seres gigantes e monstruosos habitavam ali. Dizem os boatos que V.B. fez experimentos com alguns seres de Game Over. A mutação das pessoas o fez ficarem malvados, ganharam nadadeiras e gelras. A qualquer bobeada, um deles poderia pular e tentar abocanhar quem aparecesse naquela ponte.

Mario e os outros escolhidos avançavam pela ponte praticamente sozinhos, pois Diógenes ainda não tinha organizado suficiente o avanço por aquela região.

samus_rapidaEles avistaram os dois limbos e corriam para alcançá-los o quanto antes. O escolhido de Super Mario usou sua Cat Suit para ser mais ágil; Sandro usou suas Pegasus Boots para a mesma ideia; Tamires procurou usar o máximo que podia seu Speed Booster para a mesma finalidade; George voava com seus barris jatos e Roberta com suas asas de morcego e forma à Meta Knight.

– Estamos com o caminho livre – comenta, feliz, Sandro. – Logo estaremos nos limbos para batalhas e muita porrada. Ansiedade modo ligado!

– Eu estou sentindo alguns kis malignos – afirma George. – Eles estão vindo de algum lugar aqui próximo.

– Dos fortes e castelo? – pergunta Roberta. – Mas estão longe de nós.

– Entendo o que você diz, George – diz Tamires. – Também sinto a mesma sensação. Mario?

shoryuken– Idem. E já sei de onde vem! – vira-se para a sua direita, pega impulso e dá um grande salto para um soco à Shoryuken. – Mario… Shoryuken! – acerta um monstro marinho.

O barulho do bicho entrando em contato com o mar novamente dá um estrondo forte. Tanto foi que a água, com o impacto, espirrou um pouco neles.

– Obrigado, Mario – agradecem todos. – Mas virão mais.

Todos continuam avançando, porém ficam preparados. Vários monstros marinhos começaram a pular como cardumes de peixes que descobriram comida fácil.

George golpeava com socos poderosos; Roberta acertou uns com a espada de Meta Knight; Sandro golpeou com espada, mas também jogou bomba dentro da boca deles para que explodam por dentro e deixem-os em paz; Tamires alvejou vários, antes mesmo de se aproximarem deles com suas armas da Power Suit. O escolhido de Link era o mais empolgado.

– Que bom que a– – cortava com a espada um. – luta já começou. Eles não dão trégua, hein.

– Olhem… – aponta Roberta. – Já estamos perto da– – golpeia um – entrada dos limbos.

– Finalmente – Tamires alveja um com seu Wave Beam. – Não aguento mais isso – avista algo estranho. – Espere! Olhem!

Os escolhidos veem os generais saindo das prisões e se transportando juntos com a ajuda do general da divisão 64B, o TP. Ele pode se trocar com outras coisas, afinal, e agilizar esse transporte.

– Eram os generais e estavam levando outras pessoas – diz Mario, mas já perde a atenção ao golpear outro ser marinho.

– Isso é mal. Não estou com um bom presságio – fala Tamires.

– Seja bom ou não, vamos ter que ir lá. Bora pessoal! – grita George.

Ao chegarem próximo das entradas, percebem que é hora de se dividirem.

– Já sabem as divisões – diz Mario. – Eu ficarei aqui para dar cobertura.

Guardas de V.B. das entradas já os veem e avançam, gritando “São os escolhidos. Peguem-nos!”.

Mario aproveita sua velocidade felina e golpeia todos com patadas e chutes carregados de ki, deixando cada um livre para seus destinos.

George e Sandro já arrombaram a porta do Limbo da Exclusão Esquerdo (ou 1); Roberta e Tamires fizeram o mesmo do Direito (ou 2).

O escolhido de Super Mario pensa:

– Vão lá e vençam. Confio em vocês. Só estou preocupado com Diógenes. Chegue logo, amigo.

Mas nem tem muito tempo para ficar pensando, pois mais guardas vinham até ele.

Consegue vencer com tranquilidade, mas ouve bem próximo ao castelo um grito de guerra. Ao ver o que acontecia, diz:

– Tropas de V.B. vindo em nossa direção pelo Corredor da Morte. Vou ter que aguentar aqui, mas, por favor, turma… venham rápido todos! Não sei até quanto tempo aguento.

 

 

Os limbos tinham o mesmo formato geométrico. Divididos em andares, no térreo ficava a parte administrativa da prisão e tinha um hall de entrada com recepção bem no centro. Já os outros andares eram destinados a prisões distribuídas pelos corredores circulares. O ambiente era bem sujo e tão feio quanto o dos Plebeus Resignados.

George e Sandro avançavam, mas foram barrados pela presença de alguém não muito agradável.

– Escolhidos… prazer em conhecê-los – diz GL, bocejando e balançando os seus tentáculos. – Pena que será por pouco tempo – tenta chibatá-los com eles.

Os escolhidos desviam da investida. Sandro fala para George:

– Siga em frente, amigo. Eu cuido desse.

– Hahaha – ri GL. – Acha mesmo que pode comigo, seu baixinho insignificante? – ele se posiciona bem de frente ao escolhido, olhando para baixo com ar de nojo para Sandro.

– Se eu tivesse medo de altura, não estaria entre os escolhidos. Vou lhe mostrar quem é o baixinho – empunha a espada a postos para um ataque.

Os dois fitaram os olhares. Sandro enfrentaria GL, braço de confiança de TP.

escolhidos_luta

No primeiro andar do Limbo da Exclusão 1, George começa a libertar presos com seus punhos, mas um golpe poderoso quase o acerta, rachando uma das prisões como se fosse feita de isopor.

– Vejo que é bom nos reflexos, escolhido – diz RP. Está pronto para morrer, macaquinho de Donkey Kong? – Bate um punho contra o outro, provocando um efeito sonoro incômodo para George, com a força do impacto.

O escolhido de Donkey Kong olha e diz:

– Com tudo que já passei nessa galáxia, não será um tremorzinho que vai me abalar, magrelo de luvas e botas desproporcionais.

George enfrenta RP, braço de confiança de DS.

 

 

Da mesma forma, no Limbo da Exclusão 2, Roberta decide ficar para enfrentar PG, braço de confiança de M.

– Huhuhu. Uma menina tão fofinha assim e delicada vai ser alvo fácil para mim. Volte para casa enquanto é tempo, garotinha – goza PG, ameaçando, com seus punhos fechados, um soco.

– Posso ser fofinha e comilona, admito… Mas… Estou bem longe de ser alvo fácil de uma feiosa que nem você – mostra a língua para ela.

Roberta enfrenta PG na entrada do limbo.

 

 

Tamires também avança pelas prisões, dando tiros nas portas para abri-las e soltar presos, mas sente um projétil vindo em sua direção e pula para desviar. Rapidamente vê onde o tiro atingiu, faz o cálculo de trajetória de onde ele veio e vê um atirador, mirando com duas armas nela.

Ele se aproxima da garota e diz:

– Uma escolhida atiradora… Será que essa arma da caçadora de recompensas vai ser suficiente para me caçar? – provoca XE, braço de confiança do general Z.

– Posso te dar uma amostra grátis… – deixa a arma bem posicionada nele. – Acredite! Estou louca por isso.

Tamires enfrenta XE.

 

 

As batalhas estão armadas. Como acaba isso? Sorte, escolhidos. A Galáxia Gamer depende de vocês.

 

Continua…

Próximo Capítulo de Gamers: Diógenes une e lidera os rebeldes – Final Fight entre Sandro e GL

Fabiano Naspolini de Oliveira

Fabiano Naspolini de Oliveira

Fabiano Naspolini de Oliveira (Editor-Chefe) – Formado em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Pós-Graduado em Docência para Educação Profissional, MBA em Game Design e Mestrado em Tecnologias da Informação e Comunicação. Foi redator do portal Nintendo Blast, professor de cursos técnicos e Game Designer/Sócio-Fundador do estúdio Céu Games por 6 anos. Atualmente, é professor de jogos digitais e escritor.

Send this to a friend