Tutorial: Entendendo a Economia para Jogos – Parte 1 – Os Elementos da Economia

Na vida real, economia é algo que todos se preocupam, mesmo que não entendam muito sobre isso. Entretanto, em desenvolvimento de jogos, uma economia ruim pode arruinar a experiência do jogador, enquanto para outros dominar a economia do game é o objetivo.
Então, nesta série de tutoriais vamos explorar os conceitos de economia e como desenvolvê-los nos jogos.

1. O que é economia?

Uma economia é um sistema em que recursos são produzidos, consumidos e trocados em valores quantificados. Existem diversos tipos de economias, sendo a mais popular a economia monetária, onde todos os recursos possuem valores definidos por meio de dinheiro. A economia política analisa as influências das forças políticas no governo, e assim vai. Basicamente, economia é qualquer sistema em que recursos, de qualquer tipo e forma, podem ser produzidos, trocados ou consumidos.

Em jogos, é muito comum uma economia similar à monetária, onde itens são obtidos e trocados por uma moeda. Entretanto, não é somente isso que possui a economia de um jogo. Vamos pegar como exemplo o game Doom: não existe um sistema de dinheiro, mas temos recursos como armas, munição, vida e pontos de armadura. Se o jogo tiver muita munição, o jogador com certeza esbanjaria tiros, mas, se o recurso for baixo, ele procurará uma forma mais inteligente de gastar as munições. Nos jogos do Super Mario existem diversos power-ups, mas, se um deles estiver em um local arriscado de pegar, o esforço para obter esse recurso pode não compensar.

Como podemos ver, a economia do jogo não é apenas uma questão de valores monetários, mas, também, de outros tipos, como dificuldade e benefícios.

 

2. Recursos

Falamos tanto de recursos que você já deve ter percebido que qualquer tipo de economia envolve um fluxo de recursos. Eles são quaisquer coisas que podem ser mensuradas numericamente. Muitas delas podem ser consideradas recursos em jogos, como dinheiro, energia, tempo ou unidades sob comando de um jogador, assim como itens, power-ups e inimigos. Qualquer coisa que o jogador pode produzir, coletar ou destruir é um recurso, embora nem todos os recursos estão sob controle do jogador, como por exemplo, o tempo, que desaparece por si.

Os recursos podem ser tangíveis ou intangíveis. Recursos tangíveis possuem propriedades físicas no mundo do jogo. Ocupam espaço e podem ser localizados e movidos para outros lugares. Por exemplo, um cogumelo vermelho do Super Mario que acabou de sair de um bloco “?” vai ser recurso tangível, pois não só ocupa um espaço físico no mundo do jogo como também se locomove.

Já os recursos intangíveis não possuem propriedades físicas, logo, não ocupam espaço e nem existe uma localização específica em si para tal. Por exemplo, pontos de vidas em jogos FPS.

Para podermos diferenciar melhor, vamos pegar o primeiro Tomb Raider. Nós temos diversos Medipacks espalhados pelas fases. Medipacks são recursos tangíveis, pois estão localizados fisicamente pelo mundo do jogo. Quando usamos um medipack, nós estamos realizando uma conversão de recursos: um Medipack pequeno em troca de 50% da vida da Lara Croft, este último, um recurso intangível.

Outra forma de classificar recursos é entre recursos concretos e abstratos. Recursos concretos são aqueles que efetivamente fazem parte do jogo, enquanto os abstratos “não existem”, mas influenciam. Por exemplo, em uma partida de xadrez, eu posso sacrificar uma peça (recurso concreto) para obter uma vantagem estratégica. Aqui, a vantagem estratégica é um recurso abstrato gerado pela situação do jogo. Os recursos abstratos não são mostrados para os jogadores, mas podem influenciar de modo oculto o andamento de um jogo. Outros recursos que podem ser considerados abstratos são os riscos para obter um power-up, uma posição estratégica, entre outros.

Uma forma de analisar mecanismos de jogo é listar os principais recursos e então analisar o fluxo que eles são transformados.
3. Entidades

Entidades são os locais onde os recursos são guardados. Na vida real, uma entidade pode ser uma conta em banco ou dinheiro físico. Em jogos físicos, pode ser um papel que está em posse do jogador ou qualquer mostrador que seja usado para medir os recursos disponíveis.

No Monopólio, cada jogador recebe cédulas que representam os recursos em dinheiro do jogo e cartões que mostram os valores dos terrenos. Em jogos digitais é mais fácil ainda: uma entidade é apenas uma variável que vai quantificar um recurso de um jogo.

As entidades podem ser simples ou compostas. Por exemplo, vida é um recurso, capacidade de dar dano é outro. Cada recurso possui sua respectiva entidade, que é simples. Agora, vamos pensar em uma unidade de jogo de estratégia: ela vai ter vida e a capacidade de dano. Essa unidade tem uma entidade composta por duas outras distintas, mas que estão unificadas pelo recurso “unidade”.
4. Conclusão

Então, este é o primeiro tutorial sobre economia em jogos, onde vimos o conceito e também conhecemos o que é um recurso.

No próximo tutorial eu mostrarei as quatros funções da economia, portanto não perca.

Até mais!

Thalisson Christiano de Almeida

Thalisson Christiano de Almeida

Formado em Ciência da Computação (UDESC). Foi Programador da Céu Games e professor do Técnico em Informática do SENAI-SC. Atualmente, trabalha na empresa By Seven. Já foi jogador de xadrez e praticou kung-fu, ambos por 4 anos. Hoje é praticante do Jiu-jitsu, esperando que não fique nos 4 anos. Não tem preferência de tipos de jogos em especifico, variando desde jogos casuais de Facebook até jogos mais hardcore.

Send this to a friend