Tutorial: Introdução à Modelagem 3D com Blender

Olá, galera!

Hoje damos inicio ao nosso tutorial sobre modelagem 3D, ou melhor, uma introdução à modelagem 3D, com o software Blender 3D, para assim seguirmos em frente.

blender_logo_socket

O que é o Blender?

Reconhecido por sua grande gama de ferramentas úteis, o Blender está disponível gratuitamente, atendendo uma grande parte de usuários no mundo todo. Como dito, ele está disponível gratuitamente, o que o classifica como um software livre. Logo, ele pode ser baixado gratuitamente aqui. Também é um software denominado “Open Source”, ou seja, possui algumas características além do download gratuito, como por exemplo, acesso ao código fonte, licença não restritiva a outros programas, entre diversas outras características, que podem ser encontradas aqui. No primeiro momento, se você não é programador, não é aconselhável se prender a estas terminologias, muito menos se arriscar mexendo neste “outro lado” do Blender. Vamos apenas focar nele como ferramenta pronta para nosso uso.

Com ele é possível fazer animações, pós-produções, renderização e, claro, modelagem, criação e visualização do conteúdo 3D. A vantagem está na manipulação ser em tempo real pelo seu editor.

Inicialmente há quem se assuste, mas garanto que não tem o que temer. Ele é uma ferramenta muito bem trabalhada  e que pode ser a “roda” que estava faltando para nossa criatividade. Enfim, o objetivo aqui não será, no momento, explicar tudo o que é e não é possível realizar no Blender, mas sim mostrar seu uso na prática! Então, antes de mais nada vamos entender alguns conceitos essenciais.

 

3D, como funciona? O que é? 

Você já deve ter visto ou ouvido falar em algum momento, na escola, faculdade, cursos ou em algum outro lugar, sobre coordenada cartesiana. Se não viu ainda, verá, haha. Para quem não se lembra e para quem ainda não sabe, vamos dar uma pequena relembrada.

Segundo UJVARI (2003, p. 125), René Descartes foi o inventor da geometria coordenada e o gráfico, dando origem a tão comentada e utilizada “coordenadas cartesianas”. Inclusive elas são inspiradas em seu nome Descartes (cartes-cartesiano) termo usado até os dias atuais.

O plano cartesiano é composto por duas linhas imaginárias, as quais se incidem uma na horizontal (X); outra na vertical (Y). A imagem seguinte demonstra esse conceito. Por convenção, os valores negativos não tem necessidade de serem representados.
CartesianoXY

Nesse momento, se tivéssemos algum objeto no plano cartesiano, poderíamos movê-los apenas em X e/ou Y, caracterizando em primeiro instante nosso objeto como de perspectiva 2D. Não que ele fosse 2D, mas poderíamos vê-lo e modificá-lo somente nessas coordenadas, sem a profundidade.

Para representá-la, criou-se uma linha imaginária, chamada também de Z, ou seja, a coordenada cartesiana. Ela passa agora a atender a perspectiva 3D, com a reta Z representando a profundidade do plano, como na imagem seguinte:

CartesianoXYZ

Um exemplo na prática da utilização do plano cartesiano no Blender é mostrado na imagem seguinte:

Captura de Tela 2015-09-09 às 18.46.40

Polígonos 

Entendendo o plano cartesiano, podemos saber que, no Blender, a modelagem é praticamente formada em cima de 3 tipos de blocos sólidos. São eles os edge , polygon, e vertex como mostra a seguinte imagem.

Captura de Tela 2015-09-09 às 18.47.58

A Edge (borda/beira) é a aresta do polígono.

O Vértice é o “canto”do polígono.

A Face é a superfície formada pela união dos vértices e edges.

O Polígono é formado a partir deles, ou seja, a partir  desses 3 sólidos você poderá formar praticamente qualquer coisa. Quanto mais faces um objeto tiver, mais suave ele será.

Novamente peço que vejam na imagem seguinte para ficar ainda mais claro ao entendimento de vocês. O primeiro contém uma quantidade de polígonos menor (low poly) enquanto o último contém mais, dando mais definição à modelagem (high poly).

Captura de Tela 2015-09-09 às 18.48.20

No Blender:

 

Tipos Primitivos 

Captura de Tela 2015-09-09 às 18.48.30

Em vista da grande utilidade de algumas formas geométricas como padrão para muitos desenvolvedores, foi decidido por convenção que se use o Cubo, Esfera, Cone, Cilindro e a face de um “Macaco” como Tipos Primitivos 3D. Isso foi de uma importância extrema, pois trouxe muita facilidade e agilidade aos modeladores 3D. Dessa forma, não precisa mais desenhar essas formas do zero, economizando um grande tempo.

Cilindro representado no Blender:

Captura de Tela 2015-09-09 às 18.48.32

 

Instalação

A respeito da instalação do Blender, será mostrada no próximo tutorial, com o passo a passo para os seguintes sistemas operacionais: Windows, OS X (Mac) e no Debian/Ubuntu (Linux). Aguarde.

 

 

 

Por enquanto é isso, pessoal.

Nesse tutorial, vimos alguns conceitos básicos que serão importantes na hora de modelar e mexer com o Blender.

Nos vemos no tutorial de instalação do Blender, fique de olho!

Abraços e até lá!

 

Referências

Marcos Dassie

Marcos Dassie

Cursando Análise e Desenvolvimento de Sistemas (Instituto Federal São Paulo - Campus de Presidente Epitácio). Foi Professor do Mini Curso de desenvolvimento de Aplicativos/Jogos com C# e Unity3D para o Instituto Federal de São Paulo na III Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. Foi desenvolvedor de um jogo para dispositivos móveis multiplataforma. Concluinte de Iniciação Científica em Desenvolvimento de Jogos e Aplicativos para Dispositivos Móveis, foco em Educação do público infantil. Faz desenvolvimento e modelagem 2D/3D para Jogos.

Send this to a friend